Depósito do supermercado Epa, em Ouro Preto, é um dos empreendimentos atingidos pelo fogo. Foto: Jornal O Liberal/Reprodução

Depósito do supermercado Epa, em Ouro Preto, é um dos empreendimentos atingidos pelo fogo. Foto: Jornal O Liberal/Reprodução

DE MARIANA – A região de Mariana e Ouro Preto registra um histórico de incêndios graves. Na maioria dos casos, patrimônios e grandes empreendimentos foram destruídos.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Em 1830, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no distrito Antônio Pereira, foi transformada em ruínas por um incêndio que teria sido ocasionado por velas deixadas acesas no local. A Igreja era um monumento histórico e foi construída em 1750.

Foto: Flávio Ribeiro

Foto: Flávio Ribeiro

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Outro incêndio como este aconteceu em 1999, na Igreja Nossa Senhora do Carmo, localizada na Praça Minas Gerais, em Mariana. A construção histórica estava em processo de reforma e um curto-circuito no sistema de iluminação desencadeou o fogo. Somente o altar-mor foi preservado e ainda está intacto, mas grande parte da Igreja ficou destruída. Atualmente, a reconstrução já foi concluída e a igreja reaberta, mas não foi possível a restauração de vários dos detalhes originais, como a pintura do forro.

Foto: Reprodução Internet

Foto: Reprodução Internet

Casarão em Ouro Preto

Em Ouro Preto, um grande incêndio atingiu um casarão do séc. XVIII, localizado na Praça Tiradentes, parte importante do centro histórico da cidade. No dia 14 de abril de 2003, o prédio ficou completamente destruído pelas chamas, que teriam surgido a partir de um curto-circuito; a Câmara de Vereadores que fica ao lado também foi atingida, mas não houve maiores danos.

O combate ao fogo foi realizado por cerca de 40 homens do Corpo de Bombeiros Militar de Ouro Preto que, em seguida, precisaram de reforços vindos da capital, Belo Horizonte, e de Itabirito. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil também veio a Ouro Preto para dar apoio aos bombeiros. Carros pipa foram disponibilizados pela empresa Alumínios do Brasil (Alcan) e pela mineradora Vale.

Na época, funcionava ali um hotel e outros estabelecimentos como joalheria, café, loja de artesanato, farmácia e loja de móveis. Hoje, o local é sede do Centro Cultural e Turístico do Sistema Fiemg de Ouro Preto. As obras para reconstruir o casarão foram financiadas pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e se estenderam por três anos, sendo concluídas em 2006.

Foto: Eduardo Tropia/Reprodução

Foto: Eduardo Tropia/Reprodução

Supermercado EPA

No dia 11 de fevereiro deste ano, um incêndio atingiu um depósito do supermercado EPA, que armazenava embalagens e caixas plásticas, localizado no bairro Bauxita, em Ouro Preto. Segundo os Bombeiros, a provável causa foi o superaquecimento de caixas feitas de material inflamável que estavam empilhadas próximas ao ar condicionado. Inicialmente, os funcionários do supermercado controlaram o incêndio, que em seguida foi combatido pelo Corpo de Bombeiros Militar.


COMENTE

Você pode ler também

Comentários

Os comentários estão encerrados.